Nacional Brasil

Em 2022, Rio já confirmou um quarto dos casos de covid de 2021

Por Redação Mega News CV

18/01/2022 às 21:09:53 - Atualizado há

Na atualização de hoje do painel, a secretaria informou que foram confirmados 76.466 casos de covid-19 em 2022, o que representa cerca de 26% dos 285.916 casos que o município registrou no ano passado e mais de um terço dos 217.833 casos confirmados em 2020.

Ainda que o número de casos esteja crescendo rapidamente, o Rio registrou desde 1° de janeiro 36 óbitos por covid-19. No primeiro mês do ano passado, quando a cidade não contava com cobertura vacinal e os casos eram causados por outras cepas do SARS-CoV-2, mais de 1,2 mil mortes por covid-19 foram confirmadas entre os dias 1 e 18 de janeiro, segundo dados do painel Monitora Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Assim como outras partes do país, o Rio de Janeiro têm enfrentado uma rápida disseminação da variante Ômicron do novo coronavírus, considerada uma variante de preocupação pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Apesar de estar associada a casos mais leves de covid-19, a variante se mostrou muito mais transmissível que as outras mutações do vírus, o que tem motivado alertas de pesquisadores sobre a possibilidade de haver sobrecarga dos sistemas de saúde.

Segundo a SMS, havia ontem 674 pessoas internadas por covid-19 na rede pública da capital fluminense. Entre esses pacientes, 269 estão em leitos de unidade de terapia intensiva (UTI), o maior número desde 2 de outubro do ano passado.

A rápida disseminação da doença também causou uma alta na demanda por testes. A Secretaria Municipal de Saúde afirma que ampliou sua capacidade de testagem em 48 vezes e já realizou cerca de 600 mil testes desde o início do ano. "Nesse momento de grande demanda nos postos da rede municipal e da alta taxa de transmissão da variante Ômicron, a orientação é que preferencialmente pessoas sintomáticas procurem se testar para não sobrecarregar o sistema de saúde e para evitar a exposição ao vírus", recomenda a SMS.

O presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia no Rio de Janeiro, Rodrigo Lins, ressalta que o cenário requer que a população mantenha as medidas preventivas, como o uso de máscara e distanciamento social, e busque completar o esquema vacinal, com segunda dose, quando for o caso, e dose de reforço. Por parte do poder público, ele afirma que é preciso ter atenção para garantir que haja equipes de saúde suficientes e capacitadas para atender a esse maior número de casos.

"Vemos um aumento do número de pacientes internados, sendo a maior parte deles de pessoas que têm menos vacinas, uma boa parte não vacinados ou só com uma dose", afirma ele, que lembra que a alta circulação do vírus também acaba infectando pacientes com outros problemas de saúde. "O hospital acaba tendo que internar para tratar não só a covid-19, mas a descompensação de outras doenças que ele já tinha".

O infectologista avalia que a expansão da Ômicron foi potencializada pelas festas de fim de ano, marcadas por aglomerações e reuniões familiares, e afirma que é impossível estimar quando a variante vai atingir o ponto máximo de sua transmissão. "Houve uma subida muito alta, a curva é muito íngreme, e a tendência dessas curvas muito íngremes é ter uma queda também abrupta. Isso foi visto em outros países como a África do Sul".

Com informações da Agência Brasil

Comunicar erro
Mega News Campo Verde

© 2022 Copyright @ Meganewscv Todos os direitos reservados.
Rua Santos, n. 1.724 - Campo Real II - Campo Verde - MT

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Mega News Campo Verde